Pesquisas apontam novas perspectivas sobre evolução e biogeografia de peixes recifais

10/05/2017 11:59

Pesquisas apontam novas perspectivas sobre evolução e biogeografia de peixes recifais

09/05/2017 18:08

http://noticias.ufsc.br/2017/05/pesquisas-apontam-novas-perspectivas-sobre-evolucao-e-biogeografia-de-peixes-recifais/

Uma visita, em 2015, de um pesquisador radicado na Austrália ao Laboratório de Biogeografia e Macroecologia Marinha (LBMM) Universidade Federal de Santa Catarina deu o pontapé inicial que resultou na publicação de dois artigos conexos na revista britânica Biological Reviews no início deste ano. Os trabalhos indicam novas perspectivas sobre a evolução e biogeografia de peixes recifais.

O professor da UFSC Sergio Floeter, do departamento de Ecologia e Zoologia, explica que as pesquisas usaram como base as árvores filogenéticas, de milhões de anos, ou seja, a genealogia das famílias dos peixes. “A filogenia pode fornecer uma janela para o passado, permitindo explorar as origens evolutivas das linhagens, os seus atributos geológicos e suas afinidades biogeográficas ancestrais”.

Floeter alinhavou com Peter Cowman, da James Cook University (Austrália), a produção de dois trabalhos, cada um resultando num artigo, com a colaboração de pesquisadores brasileiros e franceses, incluindo da Pós em Ecologia da UFSC. Em Phylogenetic perspectives on reef fish functional traits, cujo primeiro autor é Floeter e o último é Cowman, “são revelados os padrões relacionados às origens da diversidade funcional das espécies que vemos hoje nos recifes de coral, como por exemplo, a origem dos diferentes grupos tróficos”.

Sérgio Floeter, no Laboratório. Foto: Henrique Almeida/Diretor de Fotografia da Agecom/UFSC

No outro, The biogeography of tropical reef fishes: endemism and provinciality through time, são analisadas a idade das espécies endêmicas e a relação das províncias biogeográficas no passado. Neste artigo, cujo primeiro autor é Cowman e o último é Floeter, são exploradas relações, como por exemplo, a entre o Caribe e o Pacífico Oriental Tropical quando o Istmo do Panamá ainda estava aberto.

O clássico da biogeografia, segundo Floeter, é fazê-la no tempo atual, relacionando a semelhança entre regiões, “quais estão aqui e quais estão lá”. O desafio do grupo de pesquisadores foi realizar o trabalho usando as árvores filogenéticas, onde os recortes de tempo são de milhões de anos. O fechamento do Istmo do Panamá “foi ótimo para os organismos terrestres, que puderam transitar entre a América do Norte e do Sul, mas na parte marinha, houve a quebra da fauna, com as espécies ficando separadas”.

De acordo com Floeter, os dois trabalhos ajudam a entender melhor a diversidade funcional e a biogeografia do presente destas espécies, sabendo como ela foi ocorrendo na escala de tempo evolutivo. Ao reconstruir as relações passadas, os pesquisadores descobrem em que tempo as espécies foram se diferenciando e a origem da diversidade funcional. “Num dos casos que analisamos, o ancestral comum era generalista, comia o que tinha pela frente. Os mais novos foram se especializando, apropriando-se de um recurso que estava deixado de lado e então haveria menos competição”.

Floeter cita como exemplo “duas espécies proximamente relacionadas que são funcionalmente bastante diferentes nos recifes: o Cephalopholis fulva, um predador de fundo, e o Paranthias Furcifer, um planctívoro de meia água, forneceram evidências de como a planctivoria evoluiu em peixes recifais”.

Espécies são proximamente relacionadas, mas funcionalmente bastante diferentes. Foto: JP Krajewski/LBMM

Mais informações no LBMM ou pelo e-mail Esta imagem contém um endereço de e-mail. É uma imagem de modo que spam não pode colher.

Caetano Machado/Jornalista da Agecom/UFSC